sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Ipês

Eu não sabia, mas na minha rua tem vários ipês. Rosa. Não sabia porque moro lá faz apenas alguns meses, e nunca tinha reparado, acho que eles não haviam florido ainda pra mim. São vários mesmo, e minha rua é uma subidona.

Há uns dois dias atrás, voltando pra casa da escola, eu estava meio com sono, cansada. Quando entrei na minha rua, aquela subidona, vi diante de mim um tapete rosa. Pelo fato da rua ser subida, ficava mais bonito ainda, porque o ângulo da minha visão me deixava ver um tapete mesmo de flores. E aquele céu azulzão, um calor de matar. Abri um sorriso ivoluntário, na hora. "Que bonito...".

Agora, chegar e sair da minha rua é uma festa. É lindo. O chão coberto de flores é tão simbólico, tão singelo e tão bonito. A parte mais bonita da árvore caindo no chão, e colorindo e enfeitando o chão, e nem por isso a árvore menos feia. Pelo contrário, agora que eu percebi que ela existe. Ela não guarda o mais bonito pra si. Deixa cair no chão, na rua cinza e feia, e enfeita a rua e acaba chamando a atenção para si mesma, e deixa tudo ao redor mais e mais bonito. Uma beleza mesmo.

Hoje, agora, vindo trabalhar na editora, vi uma velha tentando varrer a calçada. Raiva. Pra quê?? Tá tão bonito... E é tão inútil... As flores e as folhas vão cair mesmo, e deixa que caiam, não adianta lutar contra a natureza, é época de cair e vai cair, pra que sofrer com isso? Melhor aproveitar a beleza do momento, não é? Coitada, tentando varrer as flores, que são muitas mais do que ela, e flores novas vão cair dali a 5 minutos... Trabalho inútil, energia desperdiçada, olhos vendados pra beleza do mundo. Larga essa vassoura, sua velha. Vem pisar descalça aqui nessas flores tão bonitas!

Às vezes parece que estou falando pra mim mesma, por meio das minhas metáforas sem fim...

Sei que, quando eu já estava no fim da rua, bateu um vendo lindo e as flores começaram a cair... dirigi bem devagarinho e deixei que elas caíssem sobre o meu carro. Foi tão bonito, aquele tapete de flores, aquele céu azul com rosa das flores que ainda estão nas árvores, e as flores dançando no espaço entre o céu e o chão. Parecia mesmo uma bênção, um carinho daqueles no rosto "vai em paz, minha filha". E eu vou. Impossível não sorrir.

Que beleza. Vou tentar tirar uma foto pra mostrar pra vocês. Mas a maior lição disso é a da vassoura: NÃO ADIANTA!!!

2 comentários:

Mazinha disse...

Sou louca por ipês... qual que cor de ipê.
Sabe pq o ipê fica mortinho assim? Pq ele é uma caducifólia... aahahaha! o Fábio me mata se ouve isso... ehehehe!

Beijos!

Juliana Hilal disse...

É mesmo lindo, lindo, lindo...rs
De verdade. Mesmo sendo rosa, né Ju?
Se eu tivesse escrito esse texto, a véia da vassoura seria a senhorinha varrendo as flores.
(:p)
Beijos, maluquinha do meu coração.