terça-feira, 16 de setembro de 2008

Ditado pela pequena Juliana Palermo

Eu encontrei um papel esses dias que me fez rir muito. É um papel escrito pela minha querida avó paterna, ditado por mim quando eu tinha entre 5 e 6 anos. Nessa época eu já escrevia, mas uma das minhas brincadeiras preferidas era ditar coisas pra minha vó escrever. Acho que eu achava o máximo ela escrever tudo o que eu pensava... e acho também que ela gostava da brincadeira tanto quanto eu.

Eu sei que nessa época havia o Funaro, um político. Eu era obcecada pelo Funaro. Ditava muitas coisas sobre ele. Em conversa esclarecedora com minha amiga economista Juliana, ela me informou que esse Funaro era o Ministro da Fazenda, e que, provavelmente, essa época em que eu ditava era a época do congelamento de preços.

Transcrevo abaixo o escrito do papel que já está amarelado... acho que isso diz muito sobre mim, sobre a minha cabeça maluca, e que já era maluca aos 5/6 anos. Quantas crianças que você conhece ditavam essas coisas para a avó nessa idade?


Quando o leite saiu, toda a turma veio tomar.
Agora o negócio mudou, quando sai o leite todo mundo quer comprar, e é muito caro.
Agora no sítio a turma toma de graça. E agora seria melhor o governo baixar o preço, porque senão ninguém mais vai tomar leite.
E então a carne está ficando mais cara ainda. Já pensou se ninguém mais comprar essas duas coisas? Vão acabar ficando sem almoço e então se você for tomar um cafezinho no bar, e se estiver muito caro, quero dizer, já está, ninguém mais vai poder se esquentar, é claro que não se esquentar com blusas.
E quase que você fica sem o frango porque está super caríssimo, e daí você vai ficar sem almoço como a carne, é claro.
No supermercado não tem mais nada, como é que vamos fazer? Se eu fosse o Funaro eu mandaria esse preço baixar, e punha tudo no supermercado e todos poderiam comprar.
Será que o Funaro não tem dó de ninguém pra comprar comida?
Acabaremos essa conversa amanhã.
Até lá.


Eu juro, isso saiu da minha cabeça, quando eu tinha entre 5 e 6 anos...

Sem comentários...

Ou melhor: comentem!

Um comentário:

POR TUDO QUE SINTO disse...

Eu adoro isso!!!
Como eu gosto!!!!