quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Folhetim Vagabundo - História 6 - Capítulo 3

O início dessa história pouco doida você confere aqui.

Leu?? Certeza?? Senão não vai entender nada!!

Agora leia o Capítulo 3:



Betina sentia seus pés em contato com algo viscoso, gelado. Tentava colocar os fatos em ordem, mas havia desistido há muito tempo. Não, seus neurônios não haviam sido treinados para esse tipo de trabalho forçado.

O túnel parecia não ter fim. O macaco parecia não sentir o gel a seus pés. O mundo parecia estar todo errado.

Maldita hora aquela em que decidira dormir na casa da avó... Podia ter ido ao casamento de Raul, mas sabia que não aguentaria ver o ex-namorado casando com aquela sonsa da Vitória. Então havia decidido passar o fim de semana o mais longe possível, o mais longe que sua cabeça conseguia conceber: a casa da avó, no interior. Lá, nada de “pela estrada afora eu vou bem sozinha”. Nada de doces para a vovozinha. Aliás, nada de vovozinha: a avó de Betina era bem modernete, e logo apresentou seu namorado: Ed, o velhinho que cheirava a leite de rosas. Contraste engraçado com o cheiro de charutos da avó...

Maldita hora em que Betina resolveu que poderia ser interessante espiar a avó e Ed trepando, pelo buraco da fechadura... Se não tivesse espiado, ah, se não tivesse espiado...

A lembrança dos palhaços do Éden atrás dela a fez tremer. Já tinha ouvido falar deles. Só não os tinha ligado à situação. Nunca os teria ligado àquela situação...

A mão do macaco forte, peludo e cheiroso apertou a sua, despertando-a dos devaneios loiros.

- Chegamos, doce de coco.

Uma porta se abriu e Betina pôde vislumbrar o vulto de cinco pessoas sentadas a uma mesa. Não conseguia identificá-las. Não conseguia pensar mais nada, a não ser na vontade imensa que sentia de tirar aquele maldito sutiã pontudo.

Nas paredes azuis do recinto, havia cinco quadros.

Betina não conhecia nenhuma das pessoas ali retratadas. Mas eram personalidades muito conhecidas. Nada mais nada menos do que Tim Burton, David Lynch, Edward Munch, Edgar Allan Poe e Stephen King. Mas seria muito exigir de Betina o conhecimento de tais figuras.

Ouviu a voz do macaco atrás dela.

- Senhores, enfim chegamos. Apresento-lhes a doce Betina.

Sobre a mesa, embaixo de um foco de luz, havia alguns DVDs, livros, fotos. Todos eram obras dos mestres retratados nas paredes. Além de tais objetos, Betina vislumbrou um enorme saco de estopa escrito SAL.



Oh, céus! Tem coragem de continuar?? Eu acho que vale a pena... amanhã, entre aqui e mande bala!


Um comentário:

disse...

Nõa tinha um blog em que saia a história completa no final?